VALID Certificadora
22\10\2018

Diploma na parede é passado: entenda as vantagens do e-diploma

Diploma na parede é passado: entenda as vantagens do e-diploma

A grande maioria dos profissionais liberais possuem os seus diplomas emoldurados na parede de seus escritórios, junto com os demais certificados profissionalizantes. Entretanto, esse hábito está com os seus dias contados, pois as vantagens do e-diploma farão qualquer um mudar de ideia.

Obter um certificado ou diploma é uma das maiores conquistas de um profissional. É necessário ter disciplina, foco, dedicação por bastante tempo, seja presencial ou pela internet. Infelizmente, há bastante burocracia na emissão de um. Em alguns casos há custos elevados, atrasos, entre outros empecilhos.

Quer saber como esses problemas são resolvidos com o diploma digital? Continue a leitura desta publicação. Aqui, traremos tudo sobre esse artefato, explicaremos quais são as suas características principais e todas as suas vantagens. Confira!

Quais são as características de um e-diploma?

Trata-se de um diploma completamente digital, tendo a mesma validade jurídica que o documento físico. Pode ser utilizado como prova de títulos para concurso público, confirmação de que você detém conhecimento e autorização para exercer a sua atividade e os demais usos de um diploma tradicional.

Como se trata de um documento virtual, é possível armazená-lo em disco rígidos externos — como HDs, pendrives, cartões de memória — ou servidores em nuvem — mobilidade que permite o seu acesso de qualquer localidade.

A emissão do e-diploma se tornou possível graças à tecnologia dos certificados digitais, que são ferramentas utilizadas por autoridades para assinar digitalmente os seus documentos. Ao assinar virtualmente, considera-se que o ato foi realizado pelo próprio punho do responsável, sem prejuízo de sua autenticidade.

O sistema utilizado pelas instituições de ensino funciona da seguinte forma: os usuários acessam um portal, no qual enviam os seus documentos; os dados são transferidos para a assinatura digital dos responsáveis; e, após, o sistema envia automaticamente um e-mail para que os contatos assinem o documento com o certificado digital.

Faz-se importante saber quais são as principais informações que devem conter no arquivo eletrônico. Confira uma lista deles a seguir:

  • nome completo do acadêmico;
  • algum documento de identificação, como RG ou CPF;
  • data em que iniciou e concluiu o curso;
  • nota final avaliativa obtida pelo estudante;
  • total da carga horária;
  • qual foi a modalidade do curso — se foi de atualização, capacitação ou aperfeiçoamento;
  • informações sobre a instituição de ensino, como o CNPJ e a assinatura do diretor ou do seu procurador;
  • a metodologia completa do curso no verso do documento;
  • alguma chave de acesso, como código QR, para verificação e autenticação.

Quais são as vantagens para a emissora e o público?

Você deve estar se perguntando por que utilizar esse tipo de documento em vez do papel tradicional. O surgimento dessa tecnologia tem uma razão. O e-diploma é dotado de qualidades vantajosas tanto para o estudante quanto para a instituição emissora. Confira os principais benefícios!

Menos burocracia

Normalmente, quando o estudante solicita o diploma a que tem direito, ele deverá esperar um prazo que gira em torno de seis meses até que o documento se encontre em suas mãos. Essa espera é comum e considerada razoável.

Com o advento do diploma digital, não há a necessidade de aguardar esse período. Atualmente, processadores ágeis e redes de internet velozes estão cada vez mais acessíveis. Com esses fatores, a troca de dados entre computadores se tornou praticamente instantânea.

Consequentemente, a burocracia envolvida na expedição do diploma se tornou mínima. O certificado digital permite que centenas sejam assinados diariamente, assim como a maioria das etapas da emissão do documento são automatizadas — inclusive a entrega ao acadêmico.

Os alunos acessam os seus diplomas por meio de um código de verificação. Eles também podem permitir que outros tenham acesso ao documento de forma plenamente segura, para comprovar as informações e assinaturas.

Se o indivíduo também desejar uma versão física — para pendurar em uma parede, por exemplo —, ele está livre para imprimir a versão digital, sem qualquer complicação legal.

Essa possibilidade reduz eventuais dores de cabeça com a perda do papel, seja por desgaste do tempo, desastres naturais como enchentes ou outro incidente. Caso essas hipóteses ocorram, basta acessar o e-diploma e imprimi-lo novamente.

Menor risco de fraude

A versão em papel do certificado, infelizmente, é bastante propensa à fraude. Pessoas utilizam informações errôneas e o nome de instituições indevidamente, imprimindo versões falsas do diploma com o intuito de obter vantagens indevidas.

O certificado digital utiliza a tecnologia de criptografia de dados para garantir a confiabilidade, a autenticidade e a integridade das assinaturas geradas no diploma virtual.

Basicamente, os dados contidos nos certificados são codificados em uma linguagem incompreensível. Somente os destinatários das informações são capazes de decifrá-la. Isso torna a transferência de informações entre os dispositivos de difícil subtração ou modificação por criminosos virtuais — hackers.

Certificados digitais devem seguir padrões estabelecidos pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil, e são rigorosamente fiscalizados pelo Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), órgão que autoriza a emissão de tais instrumentos. Com isso, tem-se a certeza de que as operações executadas pelos certificados são dotadas de confiabilidade e segurança.

Conferir a veracidade do diploma impresso também é um processo simples. Basta ler o código QR presente e comparar o papel com a versão disponível na internet.

É graças à segurança da assinatura digital que permite levarmos o diploma para  meio eletrônico com um menor risco de fraude em comparação ao documento físico.

Custos reduzidos

Arquivos eletrônicos sempre geram menos custos para qualquer entidade. Consequentemente, também haverá menos cobranças do solicitante do documento.

De acordo com o Conselho Nacional de Educação (CNE), os atos de registro e expedição do diploma são completamente isentos de cobrança pela instituição de ensino.

Isso ocorre pelo fato de que dispêndio com papel, tinta, impressão, envio, assinatura manual, entre outros fatores que demandam tempo e dinheiro, serão reduzidos.

A Universidade de São Paulo (USP), o Centro Universitário Belas Artes de São Paulo e outras instituições já adotaram o formato eletrônico do diploma. O custo de implementação da tecnologia é zero e gera economia financeira.

Fácil armazenamento

Organizações de ensino emitem dezenas de milhares de diplomas anualmente, e organizar e arquivar fisicamente todos esses documentos pode ser uma grande dor de cabeça.

Esse problema é facilmente resolvido com um arquivamento eletrônico. Os dados virtuais podem ser automaticamente manejados por um computador ou software especializado na gestão de documentos.

O espaço físico ocupado por estantes será substituído por um compacto servidor contendo todos os diplomas. Também é possível armazená-los em nuvem e obter acesso online.

Dessa forma, os arquivos nunca serão perdidos por eventualidades de força da natureza ou por acidentes, visto que eles estão guardados na internet e podem ser recuperados em poucos cliques.

Ainda há a necessidade da impressão física do diploma, que é destinado ao acadêmico. Entretanto, é evidente que essa exigência deixará de existir conforme a tecnologia ganha mais espaço em nosso país.

O e-diploma é um produto cujas vantagens tornam a sua adoção bastante atrativa. Não há razões para recusar um serviço econômico, rápido e seguro. O advento dessa ferramenta tornará toda a entidade mais produtiva e agradável aos acadêmicos e administradores.

Deseja receber mais artigos como este no seu e-mail? Assine a nossa newsletter! É gratuito!

Nenhum comentário | Comente

 

Os comentários estão encerrados.