VALID Certificadora
02\03\2018

Checklist: 5 pontos para garantir a segurança da loja online

Atualmente, o e-commerce já faz parte do dia a dia de vários negócios. As vendas pela internet possuem um papel de destaque no faturamento de várias empresas, tanto pela praticidade quanto pela facilidade que o consumidor possui para encontrar os melhores preços. Graças a isso, a experiência do cliente ao acessar uma página tornou-se um fator-chave para definir a competitividade online de um negócio.

Os aspectos que contribuem para o sucesso de uma estratégia de vendas online são variados. É importante que o negócio tenha um site com alto desempenho e disponibilidade. O design também deve ser limpo, fácil de navegar e com boa usabilidade.

Além disso, a segurança da loja online é uma das questões fundamentais. Sem que o consumidor tenha a confiança de que a empresa possui uma plataforma de vendas robusta, as chances que ele busque um concorrente, são altas.

Se você quer saber como isso pode ser evitado, veja os 5 pontos imperdíveis que separamos abaixo!

1. Selos de segurança

Uma boa primeira impressão pode ser um fator-chave para garantir que o negócio consiga realizar uma venda online. Com os selos de segurança, logo ao entrar na página,os clientes conseguem ter mais confiança na loja online e nas suas políticas de segurança.

Os selos são emitidos por empresas externas, que fazem uma auditoria completa da estrutura da página, verificando se o sistema de vendas e o código HTML foram estruturados à partir de estratégias de segurança padronizadas pelo mercado. Caso tudo esteja feito da maneira correta, o e-commerce ganha o direito de exibir o selo de segurança em sua página.

 2. Protocolos de segurança digital

Empresas lidam com informações de alto valor durante a realização de uma venda. Dados de cartão de crédito, endereço e CPF são apenas alguns exemplos dos registros que, nas mãos erradas, podem causar um grande prejuízo para clientes. Diante disso, a empresa precisa investir em mecanismos para evitar que essas informações sejam capturadas por terceiros durante a venda de produtos online, como é o caso da adoção dos protocolos de segurança digital.

Esses protocolos são a base para uma comunicação segura entre o computador do cliente e os servidores de e-commerce da empresa. Eles fornecem as informações para que toda a troca de dados feita durante o processo de vendas seja criptografada de ponta a ponta. Assim, as chances de uma pessoa obter acesso aos dados de um cliente ou do negócio caem ao máximo.

3. Backup de dados

O backup de dados é uma medida de segurança que evita a perda de informações estratégicas, trazendo maior confiança para a empresa. Por meio dele, o empreendimento consegue criar uma infraestrutura digital que pode ser restaurada a qualquer momento, caso os bancos de dados sejam corrompidos ou algum profissional apague um registro sem querer, por exemplo.

A política de backup de dados deve ser estruturada, com foco nas informações mais importantes para o funcionamento do e-commerce da empresa. O ideal é que a companhia considere a frequência com que registros são modificados e a sua importância para o negócio.

Um banco de dados com informações críticas mas pouco modificadas, por exemplo, pode ter backups com intervalos maiores. Já um sistema de cache, que é composto por um grande número de arquivos temporários, não precisa entrar nas políticas de backup, uma vez que a ausência dessas informações não interrompe as vendas online.

Além disso, há de se manter as cópias em mais de uma mídia, evitando que a empresa fique sem os seus dados se algo grave ocorrer. Por fim, testes de integridade devem ser realizados regularmente, garantindo que todos os backups poderão ser utilizados quando forem requisitados.

4. Plataforma de vendas confiável

Muitas empresas utilizam plataformas de vendas de terceiros para manter os seus negócios funcionais. Elas são integradas às páginas de vendas e funcionam como um intermediador das transações, gerenciando todos os processos de análise de crédito, de pagamento e de transferência de valores entre a empresa e o consumidor. Assim, elas permitem que a companhia foque em outros pontos ao invés de investir recursos na manutenção da página web.

Por lidar com dados estratégicos, a empresa deve escolher um sistema de vendas confiável e robusto. Opte por aqueles que utilizam métodos de segurança avançados e que tenham rotinas atualizadas para garantir proteção aos clientes. Dessa forma, você poderá evitar que vulnerabilidades externas afetem a segurança deles.

5. Conformidade com o PCI-DSS

Para quem lida com transações online, o PCI-DSS é algo fundamental. Sigla para Payment Card Industry Data Security Standard (ou Padrão de Segurança de Dados Para a Indústria de Cartões de Crédito, em uma tradução livre), o PCI-DSS foi criado por empresas do setor para diminuir a quantidade de más práticas existentes nos processos de coleta, de uso e de armazenamento de dados de pagamento.

Esse padrão possui uma série de normas que podem ser utilizadas pelas empresas para ter um mecanismo mais seguro e confiável. Tem por objetivo salvar todas as informações de um consumidor e está norteado à partir dos 12 princípios abaixo:

  1. manter um firewall ativo e bem configurado;
  2. não utilizar senhas padronizadas ou repetidas;
  3. proteger dados referente ao titular do cartão;
  4. criptografar a transmissão das informações do titular do cartão de crédito em redes abertas e públicas;
  5. utilizar softwares atualizados e ferramentas de segurança digital;
  6. desenvolver e manter aplicativos a partir de métodos seguros;
  7. possuir políticas de controle de acesso para restringir quem pode visualizar dados de pagamento de terceiros;
  8. atribuir um ID único a cada visitante da página ou usuários de computadores internos;
  9. restringir, ao máximo, o acesso a dados de pagamentos de terceiros dentro do ambiente corporativo;
  10. acompanhar e monitorar o uso da infraestrutura de rede interna, assim como dados de terceiros;
  11. realizar testes de segurança em todos os serviços digitais do negócio;
  12. manter uma política de segurança digital abrangente.

A utilização do PCI-DSS traz mais confiabilidade para o negócio. As estratégias utilizadas para garantir a segurança da loja online serão reconhecidas pelo mercado e terão como base processos de alta confiabilidade. Dessa forma, a empresa poderá manter negócios funcionais e com uma base sólida de rotinas de manutenção.

Gostou do nosso post? Então, aproveite e compartilhe-o nas suas redes sociais para que mais pessoas possam se proteger!

Nenhum comentário | Comente

 

Os comentários estão encerrados.